Rádio Central Angico - Ba: Versos sobre a seca com Dodô Rios no Espaço Nordeste de Mairi

quarta-feira, 24 de abril de 2013

Versos sobre a seca com Dodô Rios no Espaço Nordeste de Mairi


Na manhã desta terça-feira, 23 de abril de 2013, o poeta e compositor Salvador Rios, conhecido como Dodô da Baixa Funda, apresentou versos sobre a seca e outros contos, no Espaço Nordeste de Mairi.
O poeta leu versos sobre a vida nordestina, transformando a realidade em poesia, com a vivência dos fatos marcantes de um povo sofredor, mas batalhador.

Confira o verso de autoria de Dodô Rios:

A realidade do Nordeste

 
1 - A seca de 2012
É pra ficar na memória.
Se você quer um conselho
Ouça que lhe digo agora
Se você tem condição
Frete logo um caminhão
E tire seu gado pra fora.


2 - O gado berrando de fome
Só come se der ração
Sem ter água pra beber
É de cortar o coração
É de dá pena na gente
Vê o bichinho inocente
Escorneando no chão.


3 - O povo com a mão na cabeça
Sem saber o que vai fazer
Vendendo o gado de graça
Pra não vê o bicho morrer
É dura a situação
Vai ser uma destruição
Se demorar pra chover.


4 - Pra quem subiu muito na vida
Um dia pode descer
Quero vê o homem rico
Agora fazer chover
Não conheço criatura
Somente Deus nas alturas
O único que tem poder.


5 - Os tanques secaram
Em toda a região
O abastecimento é realizado
Através de caminhão
E pra situação piorar
Já começou a faltar
Até água na minação.


6 - Os mais velhos estão dizendo
Só pode ser um castigo
Nunca vi uma seca desta
Desde que sou nascido
Tanto o rico quanto o pobre
Seja fraco, ou seja, forte
Para escapar do prejuízo.


7 – Como se vê
É longa a estiagem
São vários meses sem chover
Estão secando todas as barragens
Do jeito que estou vendo
O capim todo morrendo
Vai acabar as pastagens.


8 - A cada dia que se passa
A gente desanima
O sol rachando a terra
Secando toda colina
Fica a nossa esperança
O povo não se cansa
De olhar para cima.


9 - Pedindo a Deus
Que mande logo a chuva
Para aliviar o sofrimento
Dessas criaturas
Tanto a gente como os bichinhos
Vão no mesmo caminho
Duma mesma sepultura.


10 - Quando chega a madrugada
Sopra aquele vento forte
Começa a fazer frio
De se vestir capote
Muitos anos ser ter enchente
Nunca mais a gente
Teve as trovoadas do norte.


11 - É bastante preocupante
Esta situação
A seca que afeta
A toda população
É preciso os governantes
Serem mais atuante
Com a realidade do sertão.


12 - O clima está mudando
Já não temos uma noção
Até os meteorologistas
Estão errando a previsão
Bagunçando a natureza
Já não a certeza
Se é inverno ou verão.


13 - Quando acontece chover
É de maneira irregular
Chove na frente da casa
E no fundo só faz serenar
Só tenho a dizer
Quem muitos anos viver
Vai vê o nó arrochar.


14 - Caros amigos leitores
Do humilde e excelência
Se Deus não for por nó
E da gente não tiver pena
Vai ser uma devastação
Pra ficar no coração
As marcas dessas cenas.

Da redação do Blog Agmar Rios

Nenhum comentário:

Postar um comentário